Terra Madre Brasil - Rede Nacional de Comunidades do Alimento

23/06/2008

Chef Beth Beltrão – Terra Madre 2008

Chef Beth Beltrão no Terra Madre 2006 - Foto: Marcos Alvarez

Beth Beltrão é proprietária do restaurante Virada’s do Largo que fica em Tiradentes, Minas Gerais. É Chef de cozinha por dom e se diz apaixonada por cozinhar com qualidade.

Para ela é muito importante valorizar as suas próprias raízes e mostrar que nem sempre o que é sofisticado é o melhor.

Beth participou do Terra Madre 2006, na Itália e também do Terra Madre Brasil, realizado em Brasília no ano passado.

Leia a entrevista com a Chef Beth Beltrão


Você participou do Terra Madre 2006. De que forma essa experiência teve influência na sua carreira?
Beth – Eu tenho uma verdadeira paixão pela cozinha, por todo o processo e sei que cozinhar é uma responsabilidade muito grande. Estar em contato com os produtores de todo o mundo me trouxe uma bagagem maravilhosa, coisas que não se acham nos livros. O Terra Madre é um evento que faz as pessoas acordarem para a realidade e ver que há uma grande diversidade de alimentos que não são aproveitados. Nessa viagem pude aprender, por exemplo, que existem 130 qualidades de feijão no nosso país, o que, como chef de cozinha eu não conhecia.

Qual a importância da sua participação no Terra Madre 2008?
Beth – Participei do Terra Madre 2006 e do Terra Madre Brasil, em 2007. É uma oportunidade que vem sempre para acrescentar algo a mais. Para mim dividir é somar, por isso, trabalho sempre com a simplicidade e com o coração, sem procurar o luxo e sim a qualidade.

O que você faz para ajudar os pequenos produtores de sua região a divulgarem os seus produtos?
Beth – Jamais nego as minhas raízes, acho muito importante mostrar de onde vim, e isso ajuda muito a incentivar os pequenos produtores a produzirem cada vez mais com qualidade. É importante divulgar o Slow Food porque nem sempre o que é sofisticado é o melhor. No Terra Madre 2006, um funcionário da EMBRAPA falou sobre a erva ORA-PRO-NOBIS (Peréskia aculeata Miller), que já trabalho há 18 anos e faço a questão de divulgar. Essa erva substitui a carne com 25% a mais de proteína, além de ser um laxante natural quando usada em grande quantidade, por isso, faço muitos pratos com ela, pensando principalmente na saúde, no sabor e não só no retorno financeiro. Não sou chef por estudo e sim por dom, por paixão pela cozinha, crio muitos pratos que valorizam os alimentos produzidos na nossa terra.

Você participa de algum outro projeto relacionado à Gastronomia e Meio Ambiente?
Beth – Não. Já pensei em montar um Convivium aqui na cidade, mas já existe um líder em Belo Horizonte e gostaria muito de conhecê-lo para contribuir da melhor maneira possível. O que faço é a divulgação de uma maneira bem “slow”, busco associados que sejam realmente conscientes da filosofia do Slow Food.

Há quanto tempo você conhece o Movimento Slow Food?
Beth – Conheço o Slow Food há 8 anos. Algumas pessoas me dizem que sou um “slow ambulante”, pois sempre tive a consciência de trabalhar com alimentos de qualidade no meu restaurante. Quando fui ao Terra Madre 2006, trouxe alguns produtos para plantar aqui e usar na minha cozinha, mas infelizmente não vingaram. Coloco os panfletos que recebo sobre o Movimento, mesmo que sejam em outras línguas, em um espaço no meu restaurante para que as pessoas possam conhecer enquanto aguardam seu pedido.

Qual seu objetivo junto ao movimento?
Beth – Meu foco está em levar qualidade alimentar às pessoas, principalmente, as das cidades grandes que vem passear, e estão acostumadas a comer com pressa e sem prestar atenção na procedência dos alimentos.

Você pretende desenvolver algum projeto dentro da área gastronômica?
Beth – Sim. Tenho a idéia de iniciar um projeto com adolescentes de 12 a 15 anos onde, duas vezes por ano, eles poderão conhecer todo o processo desde a horta até o prato. Assim, começam a se conscientizar desde novos.

5 Comentários

  • 1. Mara Betânia Baltar  |  24.06.08 às 8:21

    Eu admiro muito a cehf Beth Beltrão. Trabalhei com ela no Terra Madre Brasil, tive este prazer e aprendi muito com ela. Humildade e competência são os sinônimos do seu profissionalismo. Agradeço muito ao Terra Madre e a Beth por terem me concedido esta oportunidade. Um abraço bem carinhoso a vc Beth! Mara Baltar ( formanda em Gastronomia pela Unieuro Brasilia-DF.

  • 2. Sidney Szymanski  |  26.06.08 às 11:21

    Beleza Beth!
    Você sabe que somos seus fãs.
    Sucesso sempre, você merece.
    Beijão
    Sidney e Fátima

  • 3. adriana lucena  |  27.06.08 às 4:28

    Querida Beth, minha guru!

    Estou muitíssimo honrada de estar ao seu lado mais uma vez!
    Sua cordialidade, humildade e disponibilidade em ensinar engrandece e emociona os que tem o privilégio de lhe conhecer e compartilhar momentos “SLOW” com você!!!
    beijinhos, adriana lucena

  • 4. mariana  |  21.07.08 às 7:43

    oi beth….

    nao sei se vc lembra de mim, sou a cozinhira do hotel de onde vcs ficarao aqui na italia…..

    super contente de encontrar essa intrevista com vc…

    beijos….

  • 5. lau  |  27.08.09 às 10:05

    prazer é uma poderosa ferramenta de criação em seus pratos.
    “beth beltrão só faz trem bão” rsssssss
    parabéns!
    lau oliveira

Ecogastronomia Extinção de espécies alimentícias Programação detalhada do eventoVozes do Terra Madre Voluntários
Realizado por:
Slow Food
Em colaboração com:
Regione del Veneto IMCA
Educação em FocoFunarte
Em parceria com:FIDA
SIDMINCSDTMDABrasil - Governo Federal
DoDesign-s Design & Marketing

» Terra Madre Brasil | Fazer login

© 2010 Todos os direitos reservados aos autores das fotos e textos.
Não é permitido reproduzir o conteúdo deste site sem citar a fonte, link e o autor.