Terra Madre Brasil - Rede Nacional de Comunidades do Alimento

Produtos

23/08/2010

Vídeo: Gente do Terra Madre

Para ver um pouco do rico universo do Terra Madre – encontro mundial das comundades do alimento, veja esse emocionante vídeo:

Clique para ler o texto completo »

3/08/2010

Socol: embutido produzido artesanalmente

Texto de Adriana Martins

O nome é estranho, mas o sabor é sensacional. O socol, um embutido de carne de porco originário da Itália (mais especificamente, na cidade de Vêneto), foi mais um dos produtos que o C&B conheceu no II Terra Madre Brasil. Quem explicou tudo pra nós foi a Rita de Cássia Bernardete, mais conhecida como Nonna (vovó em italiano). Ela é membro de uma das 19 famílias integrantes do programa Circuito do Agroturismo, na cidade de Venda Novado Imigrante, no Espírito Santo.

O local é famoso por sua colônia de imigrantes italianos e descendentes, que costumavam fabricar pães, fubá, macarrão e outras delícias em casa. A culinária caseira acabou virando opção de emprego e renda a partir do Circuito, no qual as famílias recebem os turistas em casa. Lá, os visitantes têm à disposição licores, doces, compotas, antepastos, bolos, biscoitos, café, vinhos, queijos e outros produtos, tudo artesanal. A especialidade da família da Bernardete é o socol, que tem esse nome porque, antigamente, era feito com “ossocolo”, ou carne de pescoço do porco. Hoje, para deixar o produto menos gorduroso, a Nonna explica que o embutido é feito como lombo. Clique para ler o texto completo »

20/07/2010

Caqui e Banana Orgânicos

Texto de Adriana Martins

Certamente você já ouviu falar de banana passa. Mas e de caqui passa? E vinagre de caqui? Pois são esses os carros-chefes da Agropata – Associação de Agricultura Orgânica da Pedra Branca, formada por famílias da comunidade rural do Rio da Prata, dentro do Parque Estadual da Pedra Branca, zona oeste da capital carioca. O C&B conheceu o trabalho da Agroprata no II encontro Terra Madre Brasil. Funcionando há 10 anos (embora os primeiros agricultores tenham se estabelecido antes mesmo do Parque ser oficializado, em 1974), a Associação foi fundada com o apoio da Ong Roda Viva, que ofereceu investimentos e capacitação ambiental e na produção de orgânicos. Segundo Claudino Avelino da Costa (conhecido como Bichinho), diretor administrativo e um dos produtores, a associação já é autossustentável, ou seja, sobrevive com a venda dos produtos. Clique para ler o texto completo »

6/07/2010

Araruta: sabor brasileiro esquecido e resgatado

Texto de Adriana Martins

Na feira do II Encontro Terra Madre Brasil, onde os produtores convidados divulgavam seus trabalhos, o C&B conheceu a araruta, um rizoma (espécie de caule diferenciado e quase sempre subterrâneo) de aparência desengonçada e com rico potencial culinário. A araruta é um típico exemplo de produto negligenciado frente à massiva popularização de outros – nesse caso o trigo, cuja farinha, ao longo dos anos, tornou-se quase onipresente nos lares, restaurantes e na indústria. Clique para ler o texto completo »

28/01/2010

Slow Food em Poucas Palavras: Arca do Gosto

A Arca do Gosto é um projeto que surgiu em 1996 por iniciativa do Slow Food. Uma embarcação-refúgio ideal que viaja pelo mundo socorrendo pequenas produções de excelência gastronômica ameaçadas pela agricultura industrial, pela degradação ambiental e pela homologação.

A Arca procura, cataloga e destaca sabores que estão em risco de extinção, mas que ainda estão vivos e apresentam uma concreta potencialidade. A Comissão Científica da Arca, graças à atuação dos Convivia Slow Food no mundo, avalia embutidos, queijos, cereais, hortaliças e raças locais através precisos critérios de seleção: qualidades gastronômicas especiais, ligação com o território, produção artesanal e com ênfase na sustentabilidade e risco de extinção. Atualmente a Arca do Gosto acolhe mais de 700 produtos de 50 países.

Saiba mais sobre a Arca do Gosto no Brasil.

Este texto foi publicado originalmente no Boletim Slow Food Times de Abril/2009.

12/01/2009

II Festa do Licuri

Escrito por: Josenaide Alves

Um sinal de esperança para os produtores da Caatinga

O Licuri é o fruto de uma palmeira nativa do Nordeste do Brasil, pode ser encontrado em alguns estados, principalmente na Bahia, região de caatinga – municípios de Capim Grosso, Serrolândia, Quixabeira, São José do Jacuípe, Várzea da Roça, Jacobina, Várzea do Poço, Senhor do Bonfim, Campo Formoso e Calderão Grande.

Licuri

Com a palmeira do licuri tudo é aproveitado: cascas, frutos, amendôas, flores, folhas, palha, raiz, tronco e concas.

Clique para ler o texto completo »

21/05/2008

Usina de Natmel abre panorama de mercado para o mel das abelhas nativas

Escrito por Murillo Drumond

Uma revolução silenciosa acontece numa pequena região semi-árida do nordeste do Maranhão. Após anos de experiência no desenvolvimento de uma tecnologia apropriada para o uso sustentável das abelhas nativas, a Associação Maranhense Para a Conservação da Natureza- AMAVIDA e o Fórum de Articulação dos Trabalhadores e Trabalhadoras Rurais Integradas ao Projeto Abelhas Nativas –FATTRIP resolveram encarar o desafio e fundaram a primeira unidade processadora de produtos da sociobiodiversidade das abelhas nativas que se tem notícia.

Ao contrário da tradicional Casa do Mel, a Usina de Natmel, incorpora as experiências acumuladas em anos de atividades produtivas com o mel das abelhas nativas (natmel), onde o mesmo é submetido a um processo de maturação peculiar, que dá ao produto um paladar único, com identidade geográfica marcante. Além do natmel, outras surpresas inovadoras emergem da Usina, como o natpólen, utilizado no tempero de saladas, ou o vinho de caju, com identidade própria na mão de cada fabricante.

A “Usina” é o primeiro passo de libertação dos meliponicultores comunitários do Projeto Abelhas Nativas, que entram no mercado, como donos do próprio negócio. É o teste final para que num futuro próximo seja construída uma promissora cooperativa.

28/04/2008

Relato da 1ª Festa do Licuri

Escrito por Josenaide Souza Alves

Licuri no pé (Foto: Roberta Sá)A 1ª Festa do Licuri foi um sucesso total na Região de Capim Grosso e Quixabeira/Bahia, localizada a 220 km de Feira de Santa. Logo cedo, vários carros chegando e muita animação dos agricultores, amigos e sócios da Cooperativa Coopes.

Festa foi realizada no dia 30 de março de 2008, na comunidade Ramal, no meio da roça e do licurizal.. Foi grande a animação das mulheres com suas cantigas da quebra do licuri, os homens cantando boiadas, teatro sobre a preservação do meio ambiente, oficinas, forrozinho e muita comida gostosa.Torrando licuri (Foto: Roberta Sá)

A Festa começou as 09:30h com a missa celebrada pelo padre Xavier Nichele (Jesuíta), em seguida houve a palestra do reitor da UESB de Vitória da Conquista – Dr. Abel São José Rebouças, sobre Fruticultura e o Licuri. Logo após, muita cantoria, comidas típicas com leite de licuri, almoço, lanches, sorvetes, beijus, cocadas, doces, umbuzada com leite de licuri, petiscos, rosários, licuri torrado, etc. Foram armadas seis tendas culturais onde foram realizadas Oficinas sobre hidratação de cabelo com óleo de licuri, Paçoca de licuri pisada no pilão e licuri torrado em forno de lenha.

Clique para ler o texto completo »

25/11/2007

O Licuri fazendo sucesso

Estou na Exporminas em Belo Horizonte, e mais uma vez trouxe o licuri para o stand Budega onde tem produtos do bioma Caatinga. Foi um verdadeiro sucesso, todos estão gostando do licuri torrado e salgadinho e da cocada de licuri. Fizemos umas embalagens aproveitando a própria conca do liguri e ficou muito bonito.

Fiquei surpresa com a receptividade dos visitantes e consumidores. Como sempre, no segundo dia acabou tudo e ainda têm três dias de feira. Isso me anima, pois as quebradeiras de licuri ficarão contentes. Elas estão vendendo aos atravessadores por 0,95kg e a Cooperativa está conseguindo pagar 5,00/kg já beneficiado e torrado.

Acho que isso pode dar certo, pois o licuri é um alimento sadio, da mata nativa e corre risco de extinção, se a gente não preservar daqui a pouco não existirá mais licuri, nem ararinha azul e nem periquito e mais pobreza na região de Capim Grosso e Quixabeira. Muitos queimam o licuzeiro sem dor nem piedade.

Pretendemos fazer uma festa do licuri em março/2008, para sensibilizar mais a população, através de oficinas, seminários, resgate da cultura, etc. Se alguém tiver outras idéias maravilhosas, entre em contato, por favor.

Josenaide Souza Alves
Coopes – Capim Grosso/Bahia.

14/11/2007

A cajucultura na troca de saberes e sabores

Na primeira tarde do Terra Madre Brasil mostramos nossos produtos produzidos a partir do caju, tais como: amêndoa in natura, frita, doces em calda e a cajuína (refrigerante de caju natural encontrado em várias regiões do nordeste com produção artesanal) produto que fez maior sucesso.

A experiência foi ótima. o intercâmbio com outros produtores de diferentes estados foi rica e proveitosa.

Processo de fabricação da cajuína

A cajuína é feita a partir da extração do suco do caju. O processo é simples e fácil. Os cajus são obtidos ainda no cajueiro e em seguida são higienizados e triturados para a obtenção do suco. Após a extração é feita a clarificação do suco, que pode ser a base de gelatina ou com a própria resina do cajueiro (material liquido obtido através do ferimento da arvore) após é filtrada e engarrafada e em seguida levada à cozimento por 12 horas. E está pronta a cajuína de caju natural.

*texto coletivo produzido durante a oficina Comunicação pela Internet, durante o Terra Madre Brasil

<< Texto anterior: Próximo texto: >>
Ecogastronomia Extinção de espécies alimentícias Programação detalhada do eventoVozes do Terra Madre Voluntários
Realizado por:
Slow Food
Em colaboração com:
Regione del Veneto IMCA
Educação em FocoFunarte
Em parceria com:FIDA
SIDMINCSDTMDABrasil - Governo Federal
DoDesign-s Design & Marketing

» Terra Madre Brasil | Fazer login

© 2010 Todos os direitos reservados aos autores das fotos e textos.
Não é permitido reproduzir o conteúdo deste site sem citar a fonte, link e o autor.